Crônicas livres

Espaço para escritores e blogueiros de todos os cantos divulgar aqui suas crônicas e textos sem limite ou parcialidades.

Se algum texto não condizer com a política do jornal será deletada de imediato. Caso atente para difamação, conteúdo grosseiro, preconceitosa entre outras.

em caso de dúvidas entrar em contato com Mario, editor chefe do jornal pelo email mario@mariovicente.com.br

Boa leitura!

Crônica: O extraterrestre cego

*Por Rodrigo Alves de Carvalho


Um forte clarão e um estrondo são percebidos num terreno baldio no meio da grande metrópole, curiosos se achegam para ver o grande disco de metal que caíra do céu causando um forte impacto.

Uma porta se abre naquele misterioso objeto e as pessoas se espantam em ver aquele ser estranho, baixinho, esverdeado, na sua cabeça notavam-se os ouvidos a boca e o nariz, mas não existiam os olhos, o ser se aproxima das pessoas, quando os soldados chegam para intervir junto ao visitante misterioso.

Um ufólogo também chega apressado para conferir e tentou contato:

- Ó ser extraterreno identifique-se, por favor.

O homenzinho esverdeado estende as grandes mãos e diz algumas palavras:

- Estou em missão de paz, viajei milhões de anos-luz para estudar suas formas de vida que é um mistério para o povo de nosso planeta.

Após alguns contatos e conversas entre o ufólogo e o extraterrestre, constatou-se que realmente se tratava de uma missão de paz. E que o ET viera de um distante planeta onde reinava a paz e a felicidade, e que os habitantes desse planeta eram dotados de uma inteligência acima da capacidade humana, mas todos eram completamente cegos, não tinham olhos, mas possuíam uma sensibilidade incrível.

O ufólogo e o extraterrestre decidem andar pela grande metrópole para que o visitante conhecesse melhor o nosso planeta.

No primeiro instante o ET sentiu um forte mau cheiro e perguntou o que era aquele fedor, o ufólogo lhe responde que aquilo era a fumaça, ou monóxido de carbono, que era lançado ao ar pelos automóveis, pelas indústrias e pelas queimadas que destruíam toda a natureza.

Andaram mais um pouco e ouviram alguns tiros perto de uma favela, o extraterrestre pergunta o que é, e o ufólogo responde que eram traficantes que estavam trocando tiros com a polícia ou com outros traficantes, pelo tráfico de drogas. Depois um mendigo pede alguma esmola para o visitante, pergunta ele do que se trata e o ufólogo responde que aquilo é consequência do desemprego e da miséria.

Passaram perto de uma loja de eletrodomésticos e uma televisão que estava ligada transmitia a notícia de que os conflitos continuavam pelo mundo, o extraterrestre pergunta o que significava aquilo e o ufólogo responde que se tratava de guerras que eram travadas simplesmente para mostrar a todos qual era a mais forte das nações, desse modo milhões de pessoas eram mortas pela arrogância e imbecilidade dos chefes desses países. Sem contar os conflitos étnicos, pura demonstração de falta de respeito à vida e ao próximo, causando a fome e a pobreza em vários países.

Muitas outras coisas e acontecimentos foram captados pela sensibilidade do extraterrestre.

Depois de alguns dias o ET voltou para seu distante planeta.

O grande soberano do planeta extraterrestre curioso pelas descobertas de seu enviado pede para que contasse as novidades e ele somente responde:

- Existe apenas uma diferença entre o nosso planeta e o planeta Terra:

“No nosso planeta não existe a visão, no deles não existe coração”.

*Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--