Tudo sobre veículos & Cia.

José Carlos Couto

Publicitário também formado em Economia pela PUC-SP é especialista em automobilismo com formação em Mecânica pelo SENAI-SP. Criador nos anos 90 da REVISTA FORA DE SÉRIE, primeira revista a tratar do mundo dos veículos fora de série. Lançou no mercado o JORNAL FOTOCLASSIFICADO, primeiro periódico no país com anúncios de veículos com fotos. É profundo conhecedor e estudioso de assuntos relacionados ao mundo dos automóveis e derivados da indústria automotiva.

NOSSA PAISAGEM PEDE UM CONVERSÍVEL!

Nada como dirigir com a capota abaixada em um dia de sol e brisa fresca… mas para isso você precisa de um conversível. Selecionei alguns dos conversíveis mais legais que você pode comprar no Brasil sem abrir um rombo (muito grande) no seu bolso. Ou não.

FORD ESCORT XR3 – R$ 10.000 A R$ 30.000

Transformado em conversível pela Karmann, o Escort XR3 conversível foi quem iniciou a tendência a céu aberto entre os esportivos nacionais nos anos 80. Tanto a primeira fase do modelo no Brasil, com motor CHT 1.6 8v de 83 cv, lançado em 1985, quanto o último, lançado em 1993 — já na época da Autolatina, razão pela qual usava o motor 2.0 8v de 115 cv do Gol GTI, possuem uma enorme base de fãs.

O preço depende muito mais do estado de conservação do que do ano. Desta forma, o preço médio de R$ 15 mil vale para todo XR3 conversível — ainda que seja possível encontrar um ou outro por menos de R$ 10 mil, e exemplares impecáveis e pouco rodados ultrapassando os R$ 30 mil.

CHEVROLET KADETT GSI – $ 15.000 A R$ 20.000

A versão conversível do Kadett GSi, lançada em 1991, tinha motor 2.0 com injeção eletrônica multiponto e 121 cv, suficiente para chegar aos 100 km/h na casa dos 12 segundos, com máxima de mais de 180 km/h. Fabricado no Brasil e enviado para a Itália, onde o estúdio Bertone dava conta de transformá-lo em conversível, trazia também bancos Recaro, suspensão traseira ajustável e até painel digital como opcional. Se era um dos carros mais caros de sua época, hoje é bem acessível: o preço médio de um GSi conversível bem conservado é de R$ 15 mil.

PUMA GTE SPIDER/GTS/GTC – R$ 20.000 A R$30.000

Talvez o mais bem sucedido fora-de-série nacional, o Puma nasceu como um cupê de mecânica DKW, com motor de 3 cilindros e dois tempos. Contudo, sua versão mais icônica usa plataforma e motor dos VW refrigerados a ar — e o primeiro conversível foi lançado em 1971, o Puma GTE Spider. A partir dali, a Puma ofereceu conversíveis até o fim da produção nacional, em 1985. Em 1973 ele passou a se chamar GTS e em 1980 o nome mudou novamente para GTC.

O preço de um Puma conversível depende mais do estado de conservação do que do ano de fabricação — os melhores e mais antigos podem custar mais de R$ 40 mil, mas há bons exemplares na faixa dos R$ 20 mil.

AUDI 80 – R$ 30.000 A R$ 50.000

No começo dos anos 1990 o Brasil abriu a alfândega às nações amigas e foi inundado por carros importados de todos os tipos e marcas. Um deles era o Audi 80 Cabriolet, a versão conversível dos primos ricos do Passat. O modelo foi bem vendido na época e por isso é fácil encontrar um destes usado, porém não espere encontrá-lo tão barato quanto a perua ou o sedã — a desvalorização não é muito chegada em conversíveis e por isso os modelos 1994 e 1995 variam entre R$ 30.000 e R$ 50.000, dependendo do estado de conservação e do humor do vendedor. Por essa grana você leva pra casa um conversível alemão com motor V6 de 174 cv e um design que envelheceu muito bem.

 

ALFA ROMEO SPIDER – R$ 50.000 A R$ 70.000

Existem três carros da Alfa Romeo com o nome Spider. Um deles é clássico roadster vendido entre 1966 e 1993, e o outro é o roadster derivado do Brera, produzido entre 2006 e 2010. Mas o modelo que nos interessa aqui foi aquele importado oficialmente para o Brasil em meados da década de 1990. Seu visual, autoria da Pininfarina, é bem característico, com um forte vinco atravessando toda a extensão do carro e praticamente dividindo a carroceria em duas metades. Por aqui, a única versão disponível era a equipada com o motor V6 3.0 de 12 válvulas e 192 cv. Seu preço fica entre R$ 50 mil e R$ 70 mil.

 

FORD MUSTANG – R$ 50.000 A R$ 80.000

Qualquer um que tenha uma carteira recheada pode comprar um Mustang conversível clássico, da década de 1960. Mas este é um carro antigo que está em outro patamar. Uma opção (um pouco) mais racional é o ‘Stang de quarta geração da década de 90, relativamente comum no Brasil. Ele pode ser encontrado custando entre R$ 50 mil (V6 de 3,8 litros e 147 cv) e R$ 80 mil (GT, com um V8 de cinco litros e 215 cv).

 

PEUGEOT 306, 206 E 307 CC – R$ 25.000 A R$ 70.000

A Peugeot ofereceu uma bela seleção de conversíveis no Brasil, começando pelo 306 em 1994. O 306 CC tinha um motor 2.0 16v de 167 cv (o mesmo do GTi), e veio em poucas unidades — as que você encontra à venda custam a partir de R$ 25 mil, e podem esbarrar nos R$ 40 mil se estiverem bem conservadas e pouco rodadas.

Mais tarde, em 2002, a Peugeot começou a importar o 206 CC, que agora pode ser encontrado na faixa dos R$ 30 mil. O para-brisa mais inclinado e o teto rígido dão um charme especial, e o motor 1.6 16v de 110 cv é suficiente para um dia divertido a céu aberto.

 

Já o 307 CC, com motor 2.0 16v de 143 cv, passou a ser importado em 2005. Com a mesma proposta do 206, porém com mais espaço e mais potência, tem preço de mercado na faixa dos R$ 50 mil para os primeiros modelos, com a frente antiga e pode passar dos R$ 60.000 nos modelos mais recentes, já com a dianteira igual à essa da foto e com baixa quilometragem.

 

Renault Mégane – R$ 60.000 a R$ 70.000

Ainda falando de conversíveis franceses, a Renault também andou experimentando no segmento no Brasil. Quase ninguém lembra que o Mégane Cabriolet desembarcou por aqui em 2008 e, com um 2.0 16v de 138 cv, trazia uma proposta muito parecida com a do 307 CC — estilo antes de desempenho. Em nossa opinião, ele é ainda mais atraente que o Peugeot e custa praticamente o mesmo.

 

MERCEDES-BENZ SLK – R$ 55.000 A R$ 190.000

O Mercedes SLK chegou ao Brasil logo após seu lançamento, em 1996, para fazer frente ao BMW Z3. O roadster veio inicialmente na versão 230 Kompressor, que usa motor 2.3 sobrealimentado por um compressor mecânico, que produz 193 cv. Em 2001 a Mercedes passou a trazer o SLK320, com motor V6 de 3.2 litros e 221 cv que concorria com o Z3 2.8.

Três anos mais tarde veio a segunda geração com três modelos diferentes. A versão de entrada era a SLK200, equipada com motor 1.8 com compressor, que produzia 163 cv. A intermediária era a SLK350, com motor V6 de 3,5 litros e 272 cv e o topo da gama era preenchido pelo SLK 55 AMG, embalado pelo V8 de 5,4 litros e 360 cv. Em 2007 o modelo ganhou um facelift e o SLK20o passou a ter 183 cv, enquanto o SLK350 foi a 305 cv.

Hoje um SLK230 Kompressor custa entre R$ 55.000 e R$ 70.000, e os SLK320 na faixa de R$ 80.000. Os SLK200 partem de R$ 85.000 e vão até R$ 100.000, os SLk350 entre R$ 110.000 e R$ 130.000, enquanto os AMG ficam entre R$ 180.000 e R$ 190.000.

 

AUDI TT – R$ 85.000 A R$ 170.000 foto acima

Lançado no Brasil em 1999, o Audi TT ganhou a versão Roadster em 2000. O motor era o 1.8 turbo, calibrado para render 225 cv, a tração era integral e o câmbio, manual — o suficiente para chegar aos 100 km/h em 6,7 segundos. Um TT Roadster desta época custa em média R$ 85 mil e tem o visual mais ousado e marcante que o atual, o que deve transformá-lo em um futuro clássico.

Por outro lado, se você quer mais desempenho, procure um TTS de segunda geração, já equipado com o motor 2.0 turbo de 272 cv, capaz de acelerar até os 100 km/h em 5,6 segundos e chegar aos 237 km/h. Naturalmente, ele custa mais caro: um exemplar 2008 não sai por menos de R$ 130 mil.

 

BMW Z3 – R$ 65.000 a R$ 110.000

Você acredita que já dá para encontrar um BMW Z3, roadster baseado no Série 3 E36, por menos de R$ 70 mil? É esta a média de preço da versão equipada com motor 1.9 de quatro cilindros e 140 cv — não é um foguete, mas já garante diversão com sua tração traseira e distribuição de peso quase perfeita — o motor fica quase todo atrás do eixo dianteiro, e os passageiros vão quase sobre o eixo traseiro. Se quiser gastar um pouco mais, R$ 110 mil te compram um seis-em-linha de 2,8 litros e 192 cv, capaz de acelerar até os 100 km/h em 6,2 segundos.

 

VOLKSWAGEN EOS – R$ 95.000 A R$ 110.000

A passagem do Eos pelo Brasil foi meteórica. Tão rápida que muita gente nem soube que esse carro foi vendido por aqui. O primeiro cupê-cabriolet da VW começou a ser importado de Portugal em 2009 em versão única, com motor 2.0 turbo de 200 cv e câmbio Tiptronic, e deixou de ser importado no ano seguinte. Neste período, vendeu apenas 118 unidades. Destas, as que estão à venda hoje custam entre R$ 93 mil e R$ 100 mil — valor razoável para um carro moderno, de bom desempenho e raro por aqui.

 

Bora desfrutar da nossa natureza de cara pro vento!

Fonte: Flatout

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--