Mundo

Após 9 anos de tragédia, resiliência e solidariedade, mundo não pode esquecer os sírios

Ritzau Scanpix

Famílias sírias fogem de ataques em de Idlib

A crise da Síria entra em seu décimo ano e o povo sírio continua a sofrer com essa violenta tragédia. Desde o início do conflito, em março de 2011, homens, mulheres e crianças foram forçados a se deslocar. Muitos foram deslocados mais de uma vez. Hoje, os sírios são a maior população de refugiados do mundo.

Ano após ano, o povo sírio também demonstra sua incrível resistência. Ainda que a maioria dos refugiados em países vizinhos viva abaixo da linha da pobreza, eles não desistem de encontrar maneiras de ganhar a vida e de criar um futuro para si e suas famílias. Apesar do desejo de voltar para casa, contribuem com as economias dos países que generosamente os abrigam.

Desde dezembro de 2019, os combates no noroeste da Síria levaram quase 1 milhão de pessoas a se deslocar. Elas estão vivendo em condições terríveis. Ao mesmo tempo, em outras partes do país, muitas famílias e comunidades estão tentando reconstruir suas vidas e seguir em frente, apesar da interrupção generalizada dos serviços, da destruição de propriedades e das dificuldades econômicas.

Os últimos nove anos também mostraram histórias de notável solidariedade. Os governos e o povo de Turquia, Líbano, Jordânia, Iraque, Egito, e de alguns países fora da região, forneceram proteção e segurança aos sírios e abriram suas escolas, hospitais e casas para eles.

A resposta humanitária internacional aumentou em escala e profundidade nos últimos dez anos, graças às contribuições generosas de governos, do setor privado e de indivíduos.

O que começou como uma resposta humanitária foi acompanhado pelo envolvimento de atores-chave do desenvolvimento, como o Banco ...

Moinho Consolata

... Mundial, que tem fornecido apoio estruturado aos governos e instituições anfitriãs, reforçando a resiliência das comunidades anfitriãs e dos refugiados.

Desde 2012, mais de 14 bilhões de dólares foram canalizados através do Plano Regional de Resposta e Resiliência a Refugiados (3RP) e entregues por uma coalizão de mais de 200 parceiros, coordenada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Muito mais foi fornecido por meio de ajuda bilateral e outros mecanismos multilaterais.

“Estou profundamente admirado com a coragem e resiliência dos sírios. Dia após dia, eles passam por sofrimento e privações”, disse Filippo Grandi, alto-comissário da ONU para refugiados.

“À medida que esta crise entra em seu décimo ano, peço ao mundo que não esqueçam daqueles que continuam deslocados na Síria e dos que foram forçados a fugir para o exterior. Devemos reconhecer e apoiar a generosidade dos países vizinhos, um dos maiores atos de solidariedade em décadas. No entanto, devemos manter o foco. É preciso fazer mais.”

De fato, nove anos depois, o desafio é manter e expandir o apoio à região, especialmente em um momento em que as comunidades anfitriãs vivem dificuldades econômicas. O Plano Regional de Resposta e Resiliência a Refugiados (3RP) de 2019 recebeu apenas 58% dos 5,4 bilhões de dólares necessários. A diferença entre as necessidades reais e os recursos disponíveis está aumentando a cada dia.

A falta de ajuda, o acesso limitado a serviços de saúde e educação ameaçam levar as famílias de refugiados a uma espiral irreversível de vulnerabilidade. Por desespero, alguns refugiados são forçados a tirar seus filhos da escola para trabalhar e sustentar suas famílias. Outros reduzem o número de refeições diárias. Vulneráveis ​​à exploração e abuso, alguns recorrem às ruas, casamentos precoces ou trabalho infantil.

Nove anos de crise deixaram uma marca em toda a região. Os países anfitriões continuam precisando de financiamento o quanto antes para apoiar milhões de refugiados sírios, a fim de garantir que os serviços nacionais sejam capazes de lidar e expandir oportunidades para refugiados e cidadãos.

Também é necessário prestar apoio a quem deseja exercer seu direito de voltar para casa. O Pacto Global sobre Refugiados, endossado pela ONU em dezembro de 2018, oferece aos governos e ao setor privado um plano para toda a sociedade abordar as crises de refugiados por meio de uma resposta mais previsível e com um compartilhamento equitativo de responsabilidades. Os refugiados sírios e seus anfitriões dependem disso.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--