Mundo

Aquecimento global lança Antártica sob ameaça de espécies invasoras: entenda

Creative Commons

Espécies nativas da Antártica, como os pinguins Pygoscelis adeliae, podem estar sob a ameaça de espécies invasoras devido ao aquecimento global

O equilíbrio do ecossistema da Antártica está em perigo, uma vez que espécies invasoras estão se multiplicando devido ao derretimento das geleiras. Esse péssimo cenário foi recentemente descrito em um estudo publicado no periódico Science Advances por pesquisadores do Reino Unido.

Para quem não sabe, os especialistas consideram espécies invasoras aquelas que não são nativas ou naturais de determinado ambiente, mas passam a ocupá-lo quando têm a oportunidade. Em muitos casos, os invasores são favorecidos pelo fato do novo território não ter predadores naturais para a espécie, permitindo que ela se reproduza.

A presença de espécies invasoras pode degradar um ecossistema, pois elas competem com animais nativos por recursos como água, território e alimento. Além disso, essa ameaça se torna maior, pois, em alguns casos, esses animais caçam as espécies nativas, causando um enorme desequilíbrio ambiental.

Segundo os especialistas, na Antártica, áreas descongeladas devido ao aquecimento global podem atrair animais e microorganismos que estão adaptados a climas menos gelados. Por isso, os pesquisadores acreditam que a área descongelada da península deve triplicar nos próximos 100 anos, propiciando o ambiente necessário para que espécies invasoras se multipliquem.

Poa annua é uma gramínea invasora da Antártica (Foto: Wikipedia Commons)

“As mudanças climáticas reduzem as barreiras de [espécies invasoras] para adentrar essas regiões, reduzindo seus problemas para se estabelecer”, explicou o pesquisador Peter Convey, co-autor da pesquisa, à AFP.

Mas o problema não são apenas os animais: os pesquisadores consideram ainda que o degelo na Antártica pode aumentar também a presença humana na região. Segundo eles, cerca de 5 mil pessoas já trabalham na península e 50 mil turistas a visitam todos os anos, números que devem aumentar.

O problema disso é que os humanos trazem espécies invasoras para o continente — o que já aconteceu com duas espécies de moscas e uma de gramínea. “O fundo do poço é que os humanos trazem 99% das espécies invasoras, desequilibrando qualquer processo natural”, disse Convey. 

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--