Esportes

Atos de violência na Arena da Baixada serão culpa do TJD-PR, diz Athletico

Antônio More/ Gazeta do Povo

O Athletico Paranaense divulgou na tarde de hoje uma nota na qual "repudiou veemente" a recente decisão do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR), que na última segunda-feira (25) puniu o clube rubro-negro por conta da "torcida humana" implementada no clássico contra o Coritiba, dia 30 de janeiro, pelo primeiro turno do Campeonato Paranaense. O clube paranaense ainda antecipou a culpa para o TJD-PR em caso de novos atos de violência que possam vir a ocorrer em jogos que tenham a "torcida humana".
O presidente Luiz Sallim Emed recebeu uma suspensão de 360 dias, enquanto o Athletico foi multado em R$ 200 mil. Mandatário e clube foram condenados quatro vezes no mesmo artigo, o 223, por não reservar um local para os torcedores do Coritiba, não disponibilizar a carga de 10% de ingressos à torcida visitante, descumprir a liminar do TJD-PR para disponibilizar cinco pontos de venda de ingressos para os alviverdes e ainda impedir o uso do uniforme do arquirrival na Arena da Baixada.
"O Athletico vem por esta nota repudiar veementemente esta premeditada e teratológica decisão tomada pelos membros da 1ª Comissão Disciplinar do TJD-PR. O TJD-PR assumiu atribuição que não é sua para ir contra um projeto de iniciativa do Ministério Público Estadual e que busca a paz nos estádios. Para isto, organizou-se nos bastidores e realizou manobras ou malabarismos para punir o Athletico de qualquer jeito e no maior montante possível. Quis fazer valer uma condição que não está prevista no regulamento da competição ou na Lei", diz a nota.
"O Athletico antecipa que qualquer ato de violência que possa vir a ocorrer em jogos que tenham que se realizar com esta divisão de torcidas será responsabilidade exclusiva do TJD-PR", acrescenta o clube rubro-negro.
Como a reportagem antecipou na terça (26), o departamento jurídico do Athletico Paranaense irá recorrer da decisão do TJD-PR e planeja ir até o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) caso seja necessário. Antes, haverá recurso ao Pleno do TJD-PR.
ENTENDA A POLÊMICA
Antes do clássico, vencido pelo Coritiba por 2 a 1, o clube alviverde buscou na Justiça Desportiva o direito de receber 10% dos ingressos e uma área reservada para a torcida visitante. O Atlhetico, com apoio do Ministério Público (MP-PR), descumpriu a decisão do TJD e manteve o modelo chamado 'torcida humana'. Com isso, os torcedores do Coritiba foram obrigados a assistir ao jogo descaracterizados, e em meio aos rubro-negros.
Na prática, o modelo da "torcida humana" consiste em torcedores de outras equipes que forem à Arena da Baixada não poderem entrar com a camisa de seus clubes e não terem um espaço reservado separadamente para acompanhar aos jogos.
O Athletico Paranaense argumenta que o modelo "torcida humana" vem funcionando bem desde o ano passado. Já de acordo com o MP, o formato com torcida única tenta reduzir a violência e otimizar o trabalho da Política Militar.
No clássico contra o Coritiba, porém, houve briga em terminal de ônibus, três detenções e confusões esparsas entre torcedores dentro do estádio do Athletico.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--