Carro & Cia

Salão chinês exibe carros elétricos que devem chegar ao Brasil

Vitor Matsubara/UOL

 Aberto ao público nesta quinta (18), o Salão do Automóvel de Xangai mistura marcas famosas com montadoras locais desconhecidas fora da China. Em comum entre essas empresas, há os carros elétricos.
Em quase todo estande o visitante se depara com um veículo plugado na tomada.
No ano passado, o governo chinês removeu os limites de propriedade estrangeira para empresas poderem fabricar veículos totalmente elétricos ou híbridos.
Na prática, a estatal de planejamento optou por acabar com uma restrição criada em 1994. A medida limitava a 50% a participação de companhias de fora em qualquer empreendimento local, forçando uma cooperação entre elas e empresas chinesas.
Essa foi uma das medidas do país para seguir em frente com o projeto de aumentar sua frota de automóveis movidos a eletricidade. Daí não ser nenhuma surpresa a presença de tantos modelos nessa configuração no evento de Xangai.
Dos elétricos apresentados, vale destacar alguns que devem chegar Brasil. O Renault Kwid é um deles. Para entrar no mercado elétrico, o compacto ganhou uma nova versão com algumas alterações visuais e até um nome diferente: Renault K-ZE. A versão conceitual havia sido apresentada no Salão do Automóvel de Paris 2018 por Carlos Ghosn, então presidente da marca francesa.
O Nissan Sentra também pode ser um candidato a entrar nessa lista. Isso porque o novo Sylphy (como é conhecido o Sentra na China) foi outro a aparecer no evento em uma versão elétrica.
Outra marca que se prepara para vender veículos eletrificados no Brasil é a Chery, com uma provável versão híbrida do sedã Arrizo 5.

*O jornalista viajou a convite da Caoa Chery.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--