Cotidiano

Cidades brasileiras participam de mobilização mundial pelo clima

REUTERS/Nacho Doce/Direitos Reservados


A poucos dias da Cúpula pelo Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), marcada para a próxima segunda-feira (23), em Nova York, uma mobilização mundial chamada Greve Global pelo Clima ocorre em mais de 150 países, nesta sexta-feira (20), para chamar a atenção para mudanças climáticas. No Brasil, também houve manifestações. Em São Paulo, a mobilização começou por volta das 16h, no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista.

Por volta das 17h30, o sentido Consolação da Avenida Paulista foi tomado pelos manifestantes, a maior parte deles jovens, que exigiam ações concretas para frear as emissões de gases causadores do efeito estufa e de combate ao aquecimento global. Os jovens seguravam cartazes com frases como Matar a Mata nos Mata; Em Defesa da Amazônia; Nao Mude o Clima Mude o Sistema; Emergência Climática; Amo a Natureza. Havia também algumas bandeiras de centrais sindicais e de movimentos ambientais. Muitos secretários de governo, deputados e vereadores de SP foram ao ato.

Pouco antes das 17h, ainda concentrados no Masp, crianças pegaram os microfones para defender o clima, criticar o uso de agrotóxicos e o consumo excessivo de carne. Elas também diziam que, ao participar da manifestação, estavam fazendo algo pelo futuro. As crianças seguravam faixas com mensagens como Por Um Mundo Sem Desmatamento e puxaram um grito de Se Você Não Mudar Não Vai Dar para Respirar.

Às 18h, os manifestantes iniciaram uma caminhada pela Avenida Paulista, passando pela Praça do Ciclista. Eles levavam uma faixa enorme onde se lia SOS Clima. A previsão é de que a manifestação termine na Praça Roosevelt, na Rua da Consolação.

Em Brasília

Os manifestantes se reuniram em frente a Biblioteca Nacional à tarde. No início da noite, caminharam em direção ao Congresso Nacional. Por volta de 19h, um grupo de cerca de 300 pessoas chegou ao gramado em frente ao Congresso. Parte dos manifestantes usavam camisetas verdes e agitavam bandeiras da mesma cor. Cartazes e faixas diziam “Somos a natureza”, “- carne + floresta” e “Não se respira dinheiro”.

O público presente ouviu atentamente falas de representantes de movimentos em prol do meio ambiente e também movimentos estudantis e políticos. Criticaram às políticas direcionadas ao desenvolvimento do agronegócio em detrimentos da preservação da floresta.

“Temos um modelo de consumo, da forma com que as pessoas se relacionam com a natureza, que é insustentável. Ele prevê o crescimento a todo custo e isso tem um limite, e por não levar em conta uma série de questões que têm valor, mas não valor financeiro. As novas gerações estão reparando isso”, disse Raphael Sebba, porta-voz da Fundação Mais Cerrado.

A chegada ao gramado do Congresso e as falas dos organizadores encerraram o ato. Às 20h, a manifestação já havia dispersado totalmente.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--