Comportamento

Como sabemos quando uma espécie em risco se recuperou? Não é apenas uma questão de números

Em todo o mundo, animais e plantas estão desaparecendo a taxas alarmantes. Em maio de 2019, um grande relatório da ONU alertou que cerca de um milhão de espécies estavam em risco de extinção – mais do que em qualquer outro momento da história da humanidade.

Os cientistas da conservação como eu se concentram em prever e prevenir extinções. Mas vemos isso como um primeiro passo essencial, não um objetivo final. Em última análise, queremos que as espécies se recuperem.

O desafio é que, embora a extinção seja fácil de definir, a recuperação não é. Até recentemente, não havia uma definição geral de uma espécie “recuperada”. Como resultado, alguns planos de recuperação de espécies são muito menos ambiciosos do que outros, e os cientistas não têm um critério comum para reconhecer os sucessos de conservação.

Para enfrentar esse desafio, a Comissão Internacional de Sobrevivência de Espécies da União Internacional para a Conservação da Natureza – a maior rede de conservacionistas do mundo – está desenvolvendo uma Lista Verde de Espécies para destacar a recuperação de espécies. Essa ferramenta complementará a conhecida Lista Vermelha, que destaca espécies ameaçadas de extinção.

Enquanto a Lista Vermelha se concentra no risco de extinção, a Lista Verde mede o sucesso da recuperação e conservação. Como membro da equipe encarregada de tornar a Lista Verde uma ferramenta prática de conservação, eu a vejo como uma maneira de medir o impacto da conservação e comunicar histórias de sucesso de conservação, bem como aprender com as falhas.

https://twitter.com/brookejarvis/status/1092304847544582145

 

Definindo recuperação

Para saber o quanto a conservação alcançou e para incentivar metas ambiciosas de conservação, precisamos de uma maneira objetiva de medir o progresso em direção à recuperação de uma espécie. Estudos de planos de recuperação desenvolvidos sob a Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA mostram que alguns planos consideram uma espécie recuperada, mesmo que sua população permaneça a mesma ou diminua durante o esforço de recuperação. Uma definição padrão de recuperação impediria essas inconsistências e encorajaria os gerentes da vida selvagem a mirar mais alto.

Os cientistas de conservação há muito tentam identificar diferentes facetas da recuperação de espécies. Revendo esses esforços, nossa equipe apresentou vários requisitos para considerar uma espécie totalmente recuperada.

Como explico com um grupo internacional de colegas em um novo estudo, uma ideia-chave é que as populações das espécies devem ser “funcionais”. Com isso, queremos dizer que elas são capazes de desempenhar todos os papéis que a espécie é conhecida por desempenhar, em ecossistemas onde exista. Isso pode parecer uma medida óbvia, mas, na verdade, algumas espécies consideradas “recuperadas” nos EUA falham neste teste.

A toutinegra de Kirtland foi declarada recuperada nos EUA em 2019, mas ainda contará com os gestores de terras para manter estandes de pinheiro, onde nidifica e controla as aves de rapina parasitas que a atacam. Fonte: Joel Trick / USFWS, CC BY.

Qual é a sua função?

Cada espécie tem muitos tipos de funções ecológicas. Por exemplo, as abelhas ajudam as plantas a se reproduzirem polinizando-as. Quando pássaros e morcegos comem frutas e depois excretam as sementes, eles ajudam a regenerar as florestas.

Da mesma forma, quando o salmão nada a montante para desovar e depois é consumido por ursos e outros predadores, esse processo move nutrientes essenciais dos oceanos para rios e florestas. E quando as gramíneas inflamáveis ​​queimam no sudeste dos EUA, elas alimentam incêndios que mantêm florestas de pinheiros de folhas longas.

Todas essas funções críticas são possíveis somente quando membros suficientes das principais espécies estão presentes. Em outras palavras, manter uma espécie viva não é suficiente – também é essencial impedir que suas funções sejam extintas.

A reintrodução de lobos no Parque Nacional de Yellowstone destacou as funções ecológicas dos lobos como reguladores de espécies em pastagem. No entanto, os lobos influenciaram áreas muito maiores do que atualmente ocupam.

Extinção funcional

Os cientistas sabem há décadas que as espécies podem persistir em números tão baixos que não cumprem os papéis ecológicos que costumavam desempenhar. Isso pode ser verdade mesmo se um número significativo de animais ou plantas estiver presente.

Um exemplo é o Bisão-americano, que é uma grande história de sucesso em conservação em termos de prevenção de sua extinção. A caça reduziu o bisão a apenas algumas centenas de indivíduos nos estados ocidentais no final do século 19, mas as iniciativas de conservação os restauraram em terras públicas, privadas e nativas americanas em todo o Ocidente.

Hoje, o bisão não parece estar em risco de extinção. No entanto, eles ocupam menos de 1% de sua faixa histórica e a maioria dos cerca de 500.000 animais que existem hoje são criados para fins comerciais. Menos de 20.000 bisões vivem em rebanhos de conservação – uma pequena fração de sua população pré-colombiana, que totalizou milhões ou dezenas de milhões.


Classificação atual da “União Internacional para a Conservação da Natureza” (IUCN em inglês) para o bisão-americano. Fonte: IUCN, CC BY-ND.

Antes de serem reduzidos à quase extinção, os bisões revolvendo, batendo e pastando, moldavam habitats e paisagens da pradaria. Eles influenciaram os ecossistemas convertendo a vegetação em biomassa proteica para predadores, incluindo as pessoas, e redistribuindo nutrientes nesses ecossistemas.

Embora os bisões não corram risco de extinção, para os propósitos de suas contribuições aos ecossistemas e paisagens que habitavam, acredito que as espécies devam ser consideradas funcionalmente extintas e não totalmente recuperadas.

Isso não significa que sua conservação seja um fracasso. Pelo contrário, de acordo com as novas métricas de conservação que eu e outros cientistas propusemos para a Lista Verde, o bisão receberia pontuações altas em vários requisitos, incluindo o Conservation Legacy – o que significa que se beneficiou significativamente dos esforços de proteção passados ​​- e Conservation Gain, ou potencial para responder positivamente a novas iniciativas.

As águias-pescadoras são caçadoras eficientes que ajudam a regular as populações de peixes. Fonte: Tracie Hall, CC BY-SA.

Uma recuperação completa

Por outro lado, considere outra espécie amplamente vista como uma história de sucesso em conservação: a águia-pescadora. As populações dessa ave de rapina comedora de peixes colidiram com a América do Norte nas décadas de 1950 a 1970, principalmente devido ao envenenamento pelo inseticida DDT e seus derivados.

Os esforços de conservação desde então, incluindo a proibição federal de DDT e o fornecimento de estruturas de nidificação, resultaram em uma recuperação dramática, voltando aos níveis populacionais antes dos declínios. Atualmente, muitas populações de águia-pescadora nos EUA e no Canadá excedem agora os números históricos. Sob os critérios da Lista Verde que estamos propondo, essa espécie seria considerada ecologicamente funcional na maioria, senão em todas as partes de sua faixa.

Objetivos ambiciosos

Os cientistas de conservação há muito consideram a influência de uma espécie sobre outras e sobre os ecossistemas em que ela habita como um aspecto fundamental de sua essência e seu valor intrínseco. A iniciativa Lista Verde de Espécies procura ir além da simples prevenção de extinções na definição de espécies recuperadas como aquelas que são ecologicamente funcionais em suas áreas naturais. Esse novo foco visa incentivar o otimismo de conservação, destacando histórias de sucesso e mostrando que, com ajuda, espécies que correm risco podem recuperar seus lugares na rede da vida.

Fonte: The Conversation / H. Resit Akcakaya
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:

https://theconversation.com/how-do-we-know-when-a-species-at-risk-has-recovered-its-not-just-a-matter-of-numbers-125534

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--