Agronews

Copacol realiza 27º Dia de Campo no CPA em Cafelândia

Com uma equipe de mais de 50 engenheiros agrônomos, uma área agricultável de 84 hectares, a qual absorve 8.000 experimentos técnicos, a Copacol realiza, hoje (10) e amanhã (11), a 27ª edição do Dia de Campo (verão) exclusivo da soja, no Centro de Pesquisa Agrícola –CPA em Cafelândia no Paraná, para cerca de 1.500 produtores/associados.
O evento apresenta aos produtores, estudos e pesquisas desenvolvidas no CPA nos últimos 12 meses. Para complementar, a cooperativa realiza palestras e repassa informações que primam pela produtividade e rentabilidade na propriedade rural.

De acordo com o Gerente Técnico, Fernando Favero, o Dia de Campo de verão, tem por objetivo repassar aos produtores, informações técnicas importantes relacionadas a cultura da soja, principal cultivo da região da Cooperativa. “Os temas discutidos no evento são direcionados para solucionar os principais problemas técnicos enfrentados com a cultura na região, visando melhorar as práticas agrícolas para alcançar o aumento da produtividade de soja dos cooperados”.

O engenheiro agrônomo Tiago, também responsável pelo CPA, conta que os trabalhos no Dia de Campo facilitam a administração do produtor/associado em suas lavouras e garantem as melhores escolhas dos cultivares de soja disponível no mercado. A equipe já faz uma triagem durante o ano de mais de 80 cultivares, dos vários lançamentos feitos pelas empresas no país, e ao longo dos ensaios e experimentos, cerca de 18 a 20 cultivares são apresentadas para o cooperado. Além de todas as questões técnicas, custos e acesso, a Copacol difunde as cultivares que mais se adaptam na região que ela atua, que soma 170 mil hectares de área plantada de soja.

Para o Presidente, Valter Pitol, a frente da cooperativa desde 1998, o Dia de Campo é uma grande vitrine tecnológica que facilita a vida do produtor por conta do acesso direto no CPA e das orientações da equipe técnica que são capacitadas para desenvolver o melhor trabalho no campo. Pitol faz a abertura do evento, dando as boas vindas e enaltece o trabalho da equipe técnica, sob a tutela do gerente de unidades, Rubens Salles, e dos associados cada vez mais empenhados e presentes nas ações e orientações da Copacol. Pitol, que além de ser engenheiro agrônomo ativo, tem um vasto conhecimento da cooperativa pelos seus mais de 40 anos dedicados a ela, e pelo largo conhecimento na gestão de uma grande empresa que está presente em mais de 30 países com o frango Copacol.

A Programação para os dois dias do evento 

Abertura será às 8h30. 
Às 8h45, palestra sobre o mercado agrícola. 
Às 9h30, palestras técnicas e visita ao painel de cultivares de soja. 
Às 12h00, almoço. 

Hoje, o evento é direcionado para os produtores das unidades de 
Cafelândia, Jesuítas, Iracema do Oeste, Carajás, Jotaesse e Palmitolândia. 
Amanhã, para os cooperados de Formosa do Oeste, Universo, Goioerê, Nova Aurora, Central Santa Cruz e Palmitópolis. 

 

Tecnologia

Este ano a Copacol encerra o programa 440 que pretende atingir uma média de produtividade de 170 sacas de soja por alqueire e 270 sacas de milho. O trabalho na cooperativa, no campo e no CPA culmina para facilitar a vida do produtor/associado e fortalecer o elo Copacol/associado através de várias ações técnicas e administrativas. Além do Dia de Campo, a equipe técnica realiza duas vezes ao ano, Seminários Técnicos para milho e soja, em abril e dezembro respectivamente, em todas as suas 12 Unidades de Recebimento e Armazenagem no Médio Oeste paranaense.

Por conta de um início difícil, quando as chuvas atrasaram a semeadura da cultura de verão, a expectativa é de uma produtividade média de 150 sacas por alqueire. Soma-se a isso o problema da Buva resistente e da ferrugem asiática. Para quem seguiu as recomendações da cooperativa em relação ao manejo e aplicações de herbicidas, o controle dessas pragas está dentro da normalidade.

A grande vantagem do produtor/associado é toda essa infraestrutura que a Copacol dispõe anualmente para atender, assessorar e otimizar a vida do homem no campo, focando nos melhores resultados. A cooperativa é o grande elo, entre o associado ( cerda de 80% deles tem menos de 50 hectares de terra) e a dinâmica tencológica que o agronegócio brasileiro atingiu. Sem esse respaldo, os produtores ficariam a mercê de uma roda gigante globalizada com infinidade de informações, produtos, sistemas e ofertas. A cooperativa, filtra as informações, reduz o processo de escolha e tomada de decisões para dar mais qualidade de vida ao associado com a segurança e eficência de uma Copacol que caminha para comemorar seus 55 anos de atividades.

 

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--