Cotidiano

Dengue: primeiro LIRAa do ano aponta leve redução de focos do Aedes

A Secretaria Municipal de Saúde de Assis Chateaubriand realizou, nesta semana, o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes (LIRAa) do ano 2019, que apontou uma leve redução no número de focos do mosquito transmissor da dengue.

De acordo com o balanço de janeiro, o índice de infestação atual é de 4,2%, sendo inferior aos 4,7% do último levantamento, realizado em novembro, mas que ainda mantém a classificação de Assis como de alto risco para futura epidemia.

“Esse trabalho que realizamos várias vezes ao ano tem por objetivo manter a vigilância e planejar ações de controle da dengue. Para isso, nossos agentes de endemias percorreram todas as regiões da cidade a procura de focos. Foram visitados 1.154 imóveis entre os dias 14 e 18 de janeiro”, explica o secretário de Saúde, Agnaldo Vieira.

Apesar de o índice atual não ser o ideal, que é baixo de 1%, conforme preconiza o Ministério da Saúde, o número geral do município não chega a assustar, mas o problema está em alguns bairros, onde o nível de infestação é bem elevado.

A maior preocupação, nesse momento, são os jardins Progresso e Paraná. No Progresso, o índice chega a 12,76% no setor 2, entre as avenidas Tupãssi e Industrial. Isso significa que, a cada 100 imóveis vistoriados, em 12 foram encontradas larvas do Aedes aegypti.

Já no Paraná, a preocupação maior está no setor 2, compreendido entre a Avenida Tupãssi (saída para Toledo) e Avenida Brasil, onde o índice é de 10,25%.

“Durante o levantamento, nos mais de 1.150 imóveis que visitamos, fizemos 47 notificações e, caso encontremos novos focos de dengue dentro de um ano, essas pessoas serão multadas. Além disso, também aplicamos infrações diretas a moradores de dois imóveis, por serem reincidentes”, relata o diretor de Vigilância em Saúde, Fábio Fantin Camilo.

Motivo de constante preocupação na região oeste do Paraná, a dengue tem seu período mais crítico justamente nesta época do ano, onde o calor e as chuvas são frequentes, criando um ambiente ideal para proliferação do mosquito transmissor.

“Nosso trabalho está sendo feito, mas precisamos que a população faça sua parte, cuidando da limpeza dos quintais e terrenos, pois qualquer objeto pode servir para procriação do mosquito. Precisamos atuar juntos para evitar que Assis Chateaubriand passe por uma nova epidemia de dengue”, finaliza o secretário de Saúde, Agnaldo Vieira.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--