Cultura & Entretenimento

Luana Piovani diz não se incomodar muito com assédio e vê exageros

 Dar pitaco em assuntos polêmicos nunca foi problema para Luana Piovani, que escolheu agora falar sobre assédio. A atriz de 42 anos debateu o problema em seu canal no YouTube e revelou já ter sido assediada duas vezes, sendo uma delas por um diretor da Globo, hoje já falecido. 
A primeira vez teria ocorrido quando Luana estava com 18 anos, após um jantar com um amigo, que era diretor de teatro. "Ele tentou me beijar, mas eu achei totalmente sem noção porque se eu quisesse dar um beijo nele eu já teria avisado com meu olhar ou qualquer coisa que fosse, há muito tempo, essa é a relação de paquera".
Já a segunda vez, teria ocorrido na Globo: "Eu estava na sala de um diretor. Tinha outras pessoas comigo, outras atrizes. Ele olhou pra mim e falou 'Luana' e bateu assim na perna [indicando para sentar no colo dele]", contou ela, que afirma ter levado na brincadeira. "Mas não me senti mal, desrespeitada", concluiu. 
Luana também falou sobre a importância da divulgação de informações sobre assédio e sobre respeito, mas avalia que existe um exagero hoje em torno do assunto. "Eu, se fosse homem, ia estar com medo de conversar com mulher também. Acho que é por isso que as pessoas estão recorrendo mais aos aplicativos", afirma ela. 
"Não sou alguém que se incomoda muito com assédio, desde que não me toque. Inclusive, se a pessoa demorasse muito para entender, eu ia mesmo e assediava, nunca vi isso como problema (...) Acho que cada um é ...

Cafè Gosto Bom

... seu próprio julgador. Eu, por exemplo, não me sinto mal se alguém me assedia na rua." 
Os vídeos postados no canal da atriz no YouTube farão parte também de seu programa Luana é de Lua, que deverá estrear no meio do ano no canal pago E!. 
Luana está atualmente se mudando para Portugal com o marido, o surfista Pedro Scooby, e os três filhos. No fim de 2018, ela falou ao F5 que ficará focada agora em adaptar a família ao novo país e que a falta de trabalho lá não é uma preocupação, mas avalia a possibilidade de produzir peças em Portugal no futuro.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--