Mundo

Diferentes espécies de mosquitos invadem a Antártida

Pixabay

O aquecimento global e a atividade humana estão enfraquecendo as barreiras de isolamento na Antártida e, como consequência, várias espécies invasoras as ultrapassam e chegam a territórios até então inusitados. As informações são de um grupo multidisciplinar de pesquisadores espanhóis da Universidade Complutense de Madri, do Museu Nacional de Ciências Naturais MNCN-CSIC (projeto NICHEAPPS) e da Universidade Rey Juan Carlos (projeto ANTECO). 

Dentre as pragas está o  Eretmoptera murphyi , um “mosquito sem asas” que foi introduzido na base inglesa de  Signy, no arquipélago das Orcadas del Sur, e que se adapta ao ambiente antártico há quase 60 anos para colonizá-lo progressivamente. O mosquito atinge densidades de mais de centenas de milhares por metro quadrado na Ilha Signy. 

Precisamente, seu tamanho pequeno  dificulta qualquer ação de erradicação, de modo que as atuais medidas de proteção ambiental limitam-se a impedir sua expansão para novos enclaves. "O estudo da organofisiologia do organismo nos permite fazer modelos preditivos de sua possível expansão geográfica, a fim de estabelecer medidas de quarentena e prever futuros processos de invasão", apontam os pesquisadores. 

As previsões das  mudanças climáticas indicam uma maior facilidade para o estabelecimento desta e de outras espécies não nativas que, se não forem lentas, inevitavelmente danificarão a vida nativa. Na próxima campanha antártica espanhola, os pesquisadores do grupo viajarão à Ilha King George para estudar em colaboração com o programa polar uruguaio a presença recente de outro mosquito invasor, o  Trichocera maculipennis , que ameaça os frágeis ecossistemas terrestres antárticos. 

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--