Cotidiano

Em derrota para Embraer, JetBlue encomenda avião da rival Airbus

Ilustrativa Pixabay

Na primeira derrota para a Embraer depois da parceria Airbus-Bombardier, a companhia americana JetBlue anunciou uma encomenda de 60 aviões A220-300, como é chamado agora o CS300, principal rival dos aviões da fabricante brasileira.
A low-cost americana tem perfil similar ao da brasileira Azul, e não só por terem o mesmo fundador, David Neeleman, mas também por ser um importante operador de aeronaves da Embraer.
Atualmente, a frota da JetBlue conta com 60 jatos E190, além de 129 Airbus A320 e 56 A321. Os E190 foram fundamentais para a expansão da empresa, que iniciou operações em 2000.
Segundo a aérea americana, pesou na decisão o custo menor de operação dos A220 em relação aos novos jatos E2 da Embraer, que eram analisados como opção para atualizar a frota de E190. Enquanto este leva entre 97 e 114 passageiros, os A220 vão de 130 a 160. O avião da Airbus também voa mais longe, com autonomia de 5.920 km ante 5.278 km do E190-E2.
"A oferta de E2 da Embraer para a JetBlue foi competitiva e acreditamos que seria uma ótima opção para redução do custo por assento e, ao mesmo tempo, aumento da receita. É claro que estamos desapontados com o resultado da competição. Mas os baixos custos operacionais e a flexibilidade de operação do E2 são uma combinação vencedora para grande parte das campanhas nos próximos meses, anos e décadas", afirmou a Embraer, em nota.
Com a ida dos jatos C-Series para a Airbus e a integração deles ao portfólio da fabricante europeia, a JetBlue vê a encomenda como um complemento à frota de Airbus que ela já opera.
Foi para reagir a esse tipo de situação que Boeing e Embraer se aproximaram no fim de 2017, resultando na aquisição pela americana de 80% do programa de aviões comerciais da brasileira -que terá os 20% restantes.
Resta saber como se dará a integração da família de aviões E2 no catálogo da Boeing.
Não é a primeira vez que a fabricante americana se alia a uma antiga rival. Em 1997, a Boeing se fundiu com a McDonnell Douglas, também dos Estados Unidos. O avião MD-95 passou então a ser vendido como Boeing 717, seguindo o padrão da Boeing em nomear suas aeronaves com um número de três algarismos, começando e terminando em 7.
De acordo com a Embraer, os aviões da nova família E2 têm 280 pedidos firmes. A low-cost norueguesa Wideroe foi a primeira a receber um E2, o intermediário E190, em abril deste ano. O E195 deve estrear com as cores da Azul em 2019. Em 2021, é a vez do E175 entrar em operação pela americana Skywest.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--