JUDICIÁRIO

Foragido da Justiça por lesar aposentados refaz vida nos EUA

ANA PAULA RAGAZZI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Renato De Matteo Reginatto, 37, é apontado pela Polícia Federal na Operação Encilhamento como figura-chave em um esquema de desvio de recursos de fundos de pensão municipais que, pelas estimativas dos investigadores, alcançou R$ 1,3 bilhão.
Matteo é dono da gestora de recursos FMD Asset. Chegou a gerir R$ 590 milhões de fundos municipais. Ele teve prisão preventiva decretada em abril e está foragido.
A reportagem teve acesso a documentos de uma investigação particular mostrando que Matteo, enquanto foragido do Brasil por desvio da poupança de milhares de servidores e aposentados, está nos Estados Unidos fazendo aquisições.
Desde dezembro, já comprou um apartamento em Nova York por US$ 6,5 milhões (R$ 25,5 milhões); uma casa em Miami, por outros US$ 3,5 milhões (R$ 13,7 milhões) e também arrematou um barco, de 64 pés, pagando US$ 1,1 milhão (R$ 4,2 milhões).
Ele possui ainda dois imóveis em Boston que, juntos, somam US$ 2,3 milhões (R$ 9,2 milhões).
Segundo a investigação particular, as únicas transferências de dólares informadas por Matteo à Receita Federal no Brasil até 2017 são de US$ 2,5 milhões (R$ 9,8 milhões), enquanto os investimentos identificados alcançam US$ 13,6 milhões (R$ 53,4 milhões).
O dinheiro usado por Matteo vem de quatro offshores (contas mantidas fora do país), identificadas no relatório da PF referente à Operação Encilhamento.
Natural de Rio Claro (SP), Matteo também mantém empresas de consultoria e assessoria financeira nos Estados Unidos, onde busca legalizar a permanência.
Tinha agendado para junho a última entrevista no Departamento de Imigração, dentro do processo que garante a ele e a toda a família o chamado "green card", visto que dá direito a estrangeiros morar e trabalhar nos EUA.
Pelas informações obtidas na investigação, Matteo está nos Estados Unidos desde 2016, quando, após delações na Operação Lava Jato, a PF passou a investigar desvios de recursos em fundos de pensão.
No currículo que entregou para o processo no Departamento de Imigração americano, ele informa ainda que tem cidadania italiana e que, em 2017, viajou três vezes para a China, onde assinou memorando de entendimentos para negócios com uma companhia local.
Em 23 de abril deste ano, já com a prisão temporária decretada, ele negociou bens que possui em São Paulo. Nesse dia foi registrada a venda de um apartamento no Jardim Paulista por R$ 1,199 milhão. Esse apartamento era da Immobiliare, uma de suas empresas.
Todos os documentos aos quais a reportagem teve acesso foram obtidos pelo advogado Eli Cohen, que afirma ter sido lesado por Matteo em um investimento realizado há quatro anos. Desde então, Cohen busca, sem sucesso, um ressarcimento para as perdas, cujo valor não revela.
De acordo com o relatório da PF, Matteo é um importante elo do esquema. Candidato a deputado federal por São Paulo nas eleições de 2014 (que não venceu), dono de gestora e de consultoria, ele é apontado como a peça que interliga políticos em cidades do interior - e em alguns estados também - a operadores do mercado financeiro na capital paulista.
Para os investigadores, teria saído do país não apenas por temer a prisão, mas por ser ameaça a um grande número de envolvidos no esquema - que não mediriam esforços para impedir a sua delação.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--