Comportamento

Juízes serão investigados por supostas adoções irregulares da Universal

Fotos: Demetrio Koch

Culto por Edir Macedo na igreja Universal

Autoridades portuguesas intensificaram as investigações do suposto esquema irregular de adoção de crianças envolvendo a cúpula da Igreja Universal -incluindo as duas filhas do bispo Edir Macedo.
A conduta dos juízes nas sentenças em que os menores foram retirados de suas famílias biológicas e entregues a pastores da igreja será analisada será escrutinada pelo Ministério Público e pelo Conselho Superior da Magistratura do país.
Especialistas têm apontado que pode ter havido falhas graves no material usado no embasamento das decisões.
As duas entidades reforçaram a intenção de investigar o assunto após vir à tona que a atual procuradora-geral da República de Portugal, Joana Marques Vidal, coordenava a equipe de magistrados do Ministério Público no Tribunal de Menores de Lisboa na época em que as adoções suspeitas foram autorizadas.
Em nota oficial, o Ministério Público afirmou que "nada deixará de ser investigado, o que permitirá apurar todos os fatos e eventuais responsabilidades".
O Conselho Superior da Magistratura de Portugal declarou que também vai recolher material sobre as decisões judiciais do caso, mas ressaltou que, até agora, não há indícios de responsabilidade: "não foram suscitados quaisquer casos colocando diretamente em causa decisões de juízes"-
A instituição diz ainda que "determinou a recolha de todos os elementos pertinentes para avaliar os procedimentos prévios às decisões judiciais e os procedimentos de interação dos tribunais com as instituições com responsabilidade no percurso de preparação das decisões".
O CASO
Uma série de dez reportagens exibida em dezembro pela "TVI", a emissora de maior audiência de Portugal, acusa Igreja Universal do Reino de Deus de operar um esquema de adoção irregular e de tráfico internacional de crianças em Portugal na década de 1990.
Batizado de "O Segredo dos Deuses", o trabalho detalhou o funcionamento irregular por vários anos de um orfanato mantido pela Universal na capital portuguesa. O "Lar Universal" está no centro da polêmica das acusações.
Segundo as reportagens, várias crianças, muitas vezes retiradas de seus pais biológicos de forma arbitrária, eram entregues a figuras proeminentes da Universal, usando o lar como fachada para encobrir o caráter ilegal das operações.
O trabalho acusa as duas filhas do bispo Edir Macedo, Viviane Freitas e Cristiane Cardoso, de terem recorrido a artifícios ilegais -incluindo mentiras à Justiça e até o uso de testas-de-ferro- para conseguir a guarda das crianças.
As reportagens exibiram diversas entrevistas com os supostos pais biológicos das crianças, além de ex-funcionários e jovens que viveram na instituição.
O caso tem tido ampla repercussão em Portugal.
OUTRO LADO
Em nota, a Igreja Universal do Reino de Deus negou todas as acusações e diz estar sendo vítima de um "ataque midiático sem precedentes".
"A TVI, emissora de televisão de Portugal criada por grupos ligados à Igreja Católica, tem se utilizado, sem qualquer pudor, da manipulação de entrevistados e da ocultação de provas para veicular fantasias e mentiras.
As autoras desta barbaridade, jornalistas ávidas por mais um espectador, mais um clique, que se aproveitaram de mulheres fragilizadas e atormentadas pelo passado como mães que perderam a guarda de seus filhos, estão produzindo a mais nefasta e vergonhosa página do Jornalismo praticado em Portugal", diz a instituição, que pretende processar as autoras do trabalho."

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--