O Dia das Mães Desvelado

Em suas preleções, Jesus foi muito incisivo sobre a necessidade de o ser humano se desvincular das amarras familiares, visto que elas constituem um impedimento ao livre desenvolvimento do espírito (http://on.fb.me/1Itb7Ez). Tão contundente foi ele em relação a isso, que causa espanto ver que o sentido de suas palavras não foi reconhecido.

Certa feita uma mulher, como muitos também presa ao falso conceito de família, querendo expressar sua admiração pelas palavras dele, exclamou: “Bem-aventurada aquela que te concebeu e os seios que te amamentaram!” (Lc11:27). O Mestre retrucou imediatamente: “Antes, bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam!” (Lc11:28). Esse episódio fala por si. O Filho de Deus aponta para a necessidade imperiosa de se cumprir a Palavra de seu Pai, como pré-requisito indispensável para se alcançar a bem-aventurança, descartando de pronto, como algo totalmente despropositado, a pieguice maternal daquela mulher deslumbrada.

Mas, infelizmente, seus ensinamentos não impediram que nos séculos subsequentes o amor materno, principalmente, fosse decantado como o mais nobre dos sentimentos da mulher, como se a missão suprema da feminilidade fosse gerar filhos para fazer jus a esse sentimento. Com isso, também o casamento foi rebaixado.

O casamento passou a ser visto como um objetivo profissional como qualquer outro, uma conquista que todas as moças tinham de alcançar para se sentir realizadas, a ponto de a mulher de hoje não se envergonhar de tomar o matrimônio por patrimônio. Casar e ter filhos emergiu como única meta de vida de tantas jovens, muitas vezes instigadas pelos próprios pais. Incutiu-se em cada uma dessas infelizes a ideia enganadora de que tornar-se uma consorte na vida é tornar sua vida com sorte. Uma concepção falsa, sustentada pela visão de futuras concepções e decorrentes gravidezes.

As odes seculares erguidas em louvor ao amor materno, como se a principal incumbência da feminilidade humana fosse procriar, transformaram-no num fardo doentio que solapa o livre desenvolvimento espiritual, tanto da mãe quanto dos filhos. Àquela faz crer que possui direitos absolutos e permanentes sobre a prole, enquanto que a esses últimos impõe o peso da gratidão eterna, mesmo que frequentemente sob o manto da hipocrisia. Isso, sem falar do asqueroso mercantilismo desse “amor” filial.

O puro e legítimo amor recíproco entre mãe e filho, que floresce apenas quando ambos têm como meta a evolução espiritual (o que já descarta de pronto qualquer interferência indevida de um na vida do outro), foi desconsiderado e desvalorizado, acabando por se extinguir. Em seu lugar surgiu o “amor” obrigatório dos presentes, submetido por inteiro aos grilhões do comércio.

A americana Anna Jarvis, que no início do século XX inadvertidamente criou o Dia das Mães, e que ainda se empenhou pessoalmente para que essa comemoração fosse adotada em outros 43 países, chegou ao fim da vida, no ano de 1948, completamente amargurada com a sua “invenção”. Morreu reclusa, remoída de desgosto e remorso, tendo de presenciar como o seu propósito inicial, aparentemente inócuo e bem-intencionado, se transformara numa aberração comercial de alcance global.

(Conheça as obras publicadas pela Ordem do Graal na Terra. Acesse: http://bit.ly/ogt-catálogo.)

Roberto C. P. Junior

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


as-perolas-da-alma

As Pérolas da Alma

a-trave-no-olho

A Trave no Olho

sonhos-engarrafados

Sonhos Engarrafados

o-misterio-da-dor-fantasma

O Mistério da Dor Fantasma

a-severidade-de-cristo-jesus

A Severidade de Cristo Jesus

idolatrias-variadas

Idolatrias Variadas

13-razoes-porque-nao

13 Razões Porque Não


MAIS NOTÍCIAS