Agronews

Preços mundiais do arroz começam a cair

Segundo a FAO, a produção global em 2019 seria de 775,6 Mt de arroz em casca (515 Mt de arroz beneficiado), queda de apenas 0,5% em relação a 2018. A produção chinesa seria menos afetada do que o esperado pelo fenômeno climático El Niño. Na Índia, a produção deve progredir um pouco, assim como no restante das grandes regiões produtoras asiáticas.

Na África Subsaariana, chuvas insuficientes parecem impactar a produção, particularmente nas regiões ocidentais, onde é estimado um declínio de 3% em relação a 2018. A redução deve afetar principalmente a Nigéria e o Mali. No resto do continente africano, a produção deve permanecer relativamente estável. No Mercosul, a produção de arroz caiu em 2019 devido a uma redução adicional nas áreas plantadas com arroz.

Nos Estados Unidos, a colheita também pode diminuir 15%, enquanto na Austrália a produção teria caído 75%.

Comércio mundial

Em 2019, o comércio mundial deverá diminuir 6,2% para 45,5 Mt contra 48,5 Mt em 2018. Os principais importadores asiáticos veriam sua demanda diminuir, exceto as Filipinas. Essa redução deve afetar principalmente a Tailândia, onde as
exportações podem cair 30%. Na Índia, as vendas cairiam 10%. Em vez disso, o restante dos principais exportadores do
mundo, incluindo os Estados Unidos, veria suas vendas externas permanecerem estáveis ou aumentarem.

A China é agora o quinto maior exportador do mundo, posição que espera consolidar em 2020. Em vez disso, os exportadores do Mercosul, assim como a Austrália, verão suas vendas caírem como resultado da redução da disponibilidade exportável.

Na África, as necessidades de importação devem subir de 3,6% para 17,3 Mt contra 16,7 Mt em 2018. Os estoques mundiais de arroz que terminam em 2019 devem aumentar significativamente em 5% para 183 Mt contra 174,3 Mt em 2018, atingindo seu nível histórico mais alto. Essas reservas representam 36% das necessidades globais. O novo aumento se deve, essencialmente, à reconstituição das reservas chinesas e indianas, bem como da Indonésia e das Filipinas. Os estoques dos principais países exportadores também devem se recuperar em 37 Mt, equivalente a 22% das reservas mundiais.

Tendências do mercado

Em novembro, os preços mundiais do arroz começaram a cair em quase todos os mercados de exportação, exceto no Mercosul e nos Estados Unidos, onde os preços permanecem firmes. As colheitas asiáticas chegam ao mercado e a disponibilidade exportável ainda é abundante. A demanda por importações, que permaneceu relativamente fraca no mês anterior, deve começar a se reativar nas próximas semanas. O comércio mundial em 2019 deve cair 6,2% em relação ao ano anterior.

A Tailândia será o país mais afetado por essa redução. As exportações indianas também terão uma queda, mas menos expressiva. As perspectivas de produção mundial seriam menos negativas do que o esperado, com uma redução de apenas 0,5% para 515 Mt (arroz beneficiado) contra 517,5 Mt em 2018. Essa contração não afetará os preços mundiais, graças principalmente aos altos estoques globais.

Em novembro, o índice OSIRIZ/InfoArroz (IPO) caiu 1,2 pontos para 189,1 pontos (base 100 = janeiro de 2000) contra 190,8 pontos em outubro. No início de dezembro, o índice IPO tendia a baixar.

Na Índia, os preços de exportação permaneceram relativamente estáveis em um mercado pouco ativo. Os exportadores indianos sofrem com a baixa demanda, enquanto os excedentes exportáveis permanecem abundantes. A produção pode aumentar abaixo do esperado de 0,5% para 115,8 Mt (arroz beneficiado). As vendas indianas de arroz basmati tendem a cair, impactadas pela contração da demanda iraniana e pelas sanções econômicas dos EUA contra o Irã. O mercado iraniano representa 30% das vendas indianas de arroz basmati.

Em outubro, as exportações indianas atingiram 487.000 toneladas contra 597.000 toneladas em setembro, um atraso de 18% em relação ao ano passado na mesma época. Em 2019, as exportações podem chegar a 10,7 Mt, queda de 10% frente a 2018. Em novembro, o arroz indiano 5% permaneceu estável em US$ 365/ t FOB. Enquanto isso, o arroz indiano
avançou 25%, para US $ 333, contra US $ 330 em outubro.

No início de dezembro, os preços permaneceram estáveis. Na Tailândia, os preços de exportação caíram um pouco devido à redução da demanda de importação. Os preços tailandeses continuam altos em relação aos principais concorrentes. Os volumes de exportação ainda são satisfatórios, mesmo que seja esperado um declínio nas vendas em novembro para 550.000 toneladas contra 607.000 toneladas em outubro. O atraso acumulado em 2019 chegaria a 30% em relação ao ano anterior, na mesma época. O preço do arroz Tai 100% B foi de US$ 403/t contra $ 405 em outubro. O Tai parboilizado permaneceu estável em $ 399.

Já o arroz quebrado A1 Super caiu 1,4% para $ 356 contra $ 361 em outubro. No início de dezembro, os preços tendiam a subir após as novas demandas africanas.

No Vietnã, os preços de exportação se estabilizaram após fortes variações nos meses de setembro e outubro. As vendas externas continuam em bom ritmo, marcando um avanço de 3% em relação a 2018, na mesma época. Em novembro, o Viet 5% caiu levemente para $ 346/t contra $ 348 em outubro. O Viet 25% permaneceu estável em $ 335. No início de dezembro, os preços estavam firmes.

No Paquistão, os preços do arroz caíram em média 3% devido a problemas de qualidade na safra de 2019. As exportações começam a se reativar, especialmente para o Oriente Médio e o Leste da África. Em outubro, as exportações paquistanesas teriam atingido 300.000 toneladas contra 250.000 toneladas em setembro. No total, isso representaria um avanço de 18% em relação a 2018, na mesma época.

Em novembro, o Pak 25% foi cotado a $ 325/t contra $ 338 em outubro. No início de dezembro, os preços tendiam a subir. Na China, as exportações foram reativadas significativamente em 251.000 toneladas em outubro, contra 93.000 toneladas em setembro.

Nos primeiros dez meses do ano, as vendas chinesas atingiriam 2,4 Mt, um avanço de 55% em comparação com o ano passado na mesma época. As perspectivas de exportação no momento indicam um total de 3,2 Mt em 2019. A China seria novamente um exportador excedente após seis anos de déficit comercial de arroz. Ela ainda é o principal importador mundial e os exportadores asiáticos continuam apostando no mercado chinês, mesmo que as perspectivas pareçam menos promissoras do que no passado recente.

Nos Estados Unidos, os preços de exportação voltaram a subir ligeiramente em um mercado menos ativo. Em novembro, as exportações teriam caído para 225.000 toneladas contra 275.000 toneladas em outubro, marcando um avanço de 6% em comparação com o ano passado na mesma época. O México continua sendo o primeiro cliente com 24% das vendas externas, seguido pelo Haiti (14%) e do Japão (12%), perfazendo 50% do total das exportações nos onze primeiros meses do ano. O preço indicativo do arroz Long Grain 2/4 ficou em $ 515/t contra $513 em outubro.

Na bolsa de Chicago, os preços futuros do arroz em casca subiram 1,4% para $ 267/t contra $ 263 em outubro. No início de dezembro, os preços futuros permaneceram firmes em $ 273. No Mercosul, os preços de exportação aumentaram 2% em um mercado externo mais ativo. As exportações brasileiras atingiram 80.000 t (arroz beneficiado) contra 56.000 t em outubro. No entanto, isso mostraria um atraso de 22% em relação ao ano anterior na mesma época. No Uruguai,  as exportações também avançam, atingindo 101.000 t contra 87.000 t em setembro. Isso acarretaria um atraso de apenas 2% em relação ao ano anterior.

Na Argentina, as exportações teriam aumentado 60% em outubro em relação a setembro, marcando avanço de 1,2% em relação a 2018 na mesma época. O preço indicativo do arroz em casca brasileiro caiu para $ 224/t contra $ 225 em outubro. No início de dezembro, o preço era firme em torno de $ 230.

Na África subsaariana, os preços do arroz doméstico começaram a cair com a chegada de novas culturas. Apesar de uma atenuação da demanda por importações africanas, as previsões continuam indicando um aumento global de 3,6% em 2019. As fronteiras terrestres da Nigéria ainda estão oficialmente fechadas. Essa medida causou um aumento nos preços domésticos de 30%. Em Madagascar, a nova safra começou, mas o tempo relativamente seco tende a atrasar o plantio.

No nível continental, as primeiras previsões para o ano de 2020 indicam um aumento adicional das importações de 7,5% para 18,6 Mt.

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--