Saúde

Suporte psicológico da UEL atende idosos de casas de repouso

Contatos com profissionais do Projeto Suporte Psicológico Covid-19 da UEL podem ser feitos pelo celular. Além disso, informações podem ser obtidas nas páginas do projeto nas redes sociais.

Agência de Notícias do Paraná

Conforme Vanessa Ximenes, o atendimento é gratuito, online e pode ser em até quatro sessões

Psicólogos do Projeto Suporte Psicológico Covid-19 da Universidade Estadual de Londrina (UEL) oferecem atendimento para idosos e funcionários de instituições de longa permanência, as chamadas casa de repouso. O projeto é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG), do Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento do Centro de Ciências Biológicas (CCB), Residência em Psiquiatria, com apoio da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Sociedade (Proex).

A psicóloga Vanessa Ximenes, responsável pela frente de psicoeducação do projeto, explica que o grupo tem entrado em contato com gestores das instituições para verificar a melhor forma de dar o suporte psicológico. O atendimento é online e direcionado para promoção da saúde mental de pessoas em sofrimento emocional por causa da pandemia de Covid-19. O suporte psicológico é feito por mais de 70 profissionais voluntários.

Conforme Vanessa Ximenes, o atendimento é gratuito, online e pode ser em até quatro sessões. “O atendimento vai funcionar do mesmo jeito que já estava funcionando com outras pessoas, como os profissionais da saúde. São atendimentos de suporte psicológico de uma até quatro sessões para idosos e funcionários que estão sendo impactados pela pandemia. Então, precisa ter uma queixa relacionada a essa crise atual que estamos vivendo”, destaca Vanessa Ximenes.

A psicóloga Mariza da Silva Santos, integrante do projeto, destaca a importância da formação de redes de apoio afetiva e social para os idosos. “É composta além do grupo familiar, de parentes, vizinhos, contatos formais e informais e são importantes moderadores para a eficácia pessoal além de favorecer a adaptação às situações de estresse e de suscetibilidade a distúrbios físicos e emocionais que podem ocorrer à medida que a pessoa envelhece”.

Ela lembra que os idosos em casas de repouso, muitas vezes, estão em situação de desamparo emocional por não terem uma rede social e afetiva, dependendo de cuidadores. A essa condição, geralmente, somam-se limitações físicas. “Um ambiente asilar torna-se, muitas vezes, o principal suporte social e afetivo do idoso levando-se em conta que o tamanho dessa rede social diminuiu, a frequência de contatos face a face também decaiu devido às limitações do envelhecimento e da pandemia, empobrecendo ainda mais a proximidade sentida pelo idoso”, diz a Mariza da Silva Santos.

Ela lembra que os idosos, dentro de sua capacidade de compreensão, precisam falar sobre o que está acontecendo, como estão se sentindo e o que fazer com esse misto de sentimentos que envolvem tristeza, medo, limitação e desamparo.

Mariza afirma que o trabalho do profissional de suporte psicológico pode ser comparado ao de um construtor de novos caminhos porque o seu papel é o de alguém que está disponível para ouvir, compreender, esclarecer, apoiar e fortalecer aquele que lhe pede ajuda.

Serviço

Contatos com profissionais do Projeto Suporte Psicológico Covid-19 da UEL podem ser feitos pelo celular (43) 99625-5345. Além disso, informações podem ser obtidas nas páginas do projeto nas redes sociais – conta @psicouel.covid e Projeto Suporte Psicológico COVID-19.

 

 

Leia também: 

ANGÚSTIA

Conheça os benefícios dos animais de estimação para a saúde mental de idosos

Vídeos ensinam técnicas de terapia comportamental para pais de crianças com autismo

 

Siga o Jornal Integração nas redes sociais e fique bem informado:
RECEBA NOSSA NEWSLETTER EM SEU EMAIL

Deixe seu email aqui. Preservamos sua privacidade.