Agronews

Temperatura mais alta aumenta arsênico no arroz

Pesquisadores da Universidade de Washington descobriram que temperaturas mais altas, nos níveis esperados na maioria das projeções de mudanças climáticas, podem levar a maiores concentrações de arsênico nos grãos de arroz. A equipe apresentará essas descobertas em 10 de dezembro na reunião de outono da American Geophysical Union em San Francisco. 

“Sabemos que mais arsênico é liberado do solo em temperaturas mais altas. Aqui vimos que essa resposta à temperatura do solo afeta o conteúdo de arsênico do grão de arroz”, disse a autora Rebecca Neumann, professora associada de engenharia civil e ambiental da Universidade de Washington. “Estávamos trabalhando com um solo que apresentava níveis relativamente baixos de arsênico, mas as temperaturas mais altas ainda levavam a maiores concentrações de arsênico nos grãos nas faixas onde começamos a ter problemas de saúde. Se esses resultados forem representativos do que podemos esperar para o cultivo no campo de arroz, as mudanças climáticas poderão exacerbar o problema do arroz contaminado com arsênico", completa. 

O arsênico ocorre naturalmente no solo, embora sua concentração seja mais alta em áreas que historicamente usam herbicidas à base de arsênico ou onde a água de irrigação contém arsênico. Quando os agricultores crescem como arroz em condições de inundação, o arsênico é extraído do solo e introduzido na água. 

“Em geral, a planta é como um tubo grande ou um canudo, pois extrai água das raízes para as folhas. E o arroz absorve naturalmente o arsênico, porque imita outras moléculas que essas plantas extraem preferencialmente do solo”, disse ele. Autor principal Yasmine Farhat, estudante de doutorado da UW em engenharia civil e ambiental. "É uma tempestade perfeita para concentrar arsênico", completa. 

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--