Política

Brasil vê Huawei com bons olhos, diz Mourão durante visita à China

Divulgação

LUIZA DUARTE
PEQUIM, CHINA (FOLHAPRESS) - Apesar da investida do governo americano contra a Huawei, o governo brasileiro vê a gigante chinesa acusada de espionagem com bons olhos, afirmou o vice-presidente Hamilton Mourão nesta terça-feira (21).
"Geram empregos numa área de tecnologia distinta, vemos com muitos bons olhos", afirmou à rede de TV estatal chinesa em espanhol CGTN, durante visita ao país asiático, sobre a entrada da Huawei no mercado brasileiro.
Ele havia sido perguntado sobre a presença de empresas chinesas de alta tecnologia no Brasil.
"A Huawei está estabelecida no Brasil e vai fazer mais investimentos. Na semana passada, recebi representantes da Huawei em meu gabinete em Brasília. Me apresentaram planos de expansão no país", disse.
A Huawei está no centro de uma disputa por tecnologia e influência entre as duas maiores economias mundiais: China e Estados Unidos. O governo americano diz que há suspeita de espionagem e vem pressionando aliados para que não adotem os sistemas e dispositivos produzidos pela empresa chinesa.
Para a China, Washington conduz uma guerra de propaganda contra as companhias de tecnologia chinesas que vêm dominando o mercado.
O Brasil é líder no uso de smartphones entre os países emergentes e deve começar a trocar o sistema 4G pelo 5G apenas a partir de 2021. Operadoras de celular terão que firmar parcerias para oferecer a nova geração de conexão à internet.
"Nessa questão de tecnologia e inovação a gente tem que adotar um dispositivo de expectativa. Quando as coisas ficam polarizadas como estão, você tem que ter flexibilidade. Não ...

Laboratório Genesis de Cafelândia Paraná

... pode se atirar para um lado só de uma hora para a outra, mas tem que raciocinar com calma e aguardar o desfecho", reforçou Mourão à reportagem.
Em relação à preocupação com a privacidade de dados dos usuários brasileiros, o vice-presidente falou que ocorre uma "demonização" sobre tudo que é produzido na China e que é preciso "estabelecer confiança".
Mourão deve visitar a Muralha da China na manhã de quarta-feira (22). Em seguida, ele participa de uma reunião de coordenação da delegação brasileira da Coban (Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível), e da sessão de encerramento do simpósio comemorativo do 15º aniversário do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC).
O vice-presidente encerra a primeira viagem oficial à China na sexta-feira (24).

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--